Vantagens e desvantagens da folksonomia

Guilhermo Reis - 2007
JumpExec

Imagine um site onde os próprios usuários organizam a informação, onde eles criam o sistema de organização e todas as correlações entre os conteúdos. Isso é a folksonomia, uma taxonomia criada pelos próprios usuários para categorizar e recuperar conteúdos utilizando palavras chaves por eles definidas.
 
A folksonomia (folksonomy) foi criada, em 2002, pelo arquiteto de informação Thomas Vander Wal para designar taxonomias colaborativas e nasceu da junção das palavras folk (povo, gente) e taxonomia e se tornou um os ingredientes da diversificada sopa da Web 2.0 utilizada em vários sites famosos, como o Del.icio.us, o Flickr e o YouTube.
 
A idéia por trás dessa nova forma de organizar as informações do site é bem simples: o usuário atribui palavras chaves, as famosas tags, para os conteúdo do site, as quais são compartilhadas com todos os outros usuários formando o seu sistema de organização. Normalmente não existe uma organização hierárquica entre as tags nem qualquer outro tipo de associação, como sinônimos, termos relacionados e outros.
 
Suas vantagens são várias. A folksonomia tem um baixo custo para categorizar o conteúdo porque não envolve profissionais especializados em categorização de conteúdo (arquitetos de informação, bibliotecários, etc). Ela permite que o usuário organize facilmente o conteúdo porque ele não precisa aprender um vocabulário controlado. Na verdade os usuários criam o vocabulário controlado do site e com isso ela reflete muito bem a linguagem dos usuários.
 
A folksonomia tem também a vantagem de permitir encontrar conteúdos inesperados graças as conexões criadas pelas tags. Ao atribuir a mesma tag a dois conteúdos diferentes os usuários criam uma ssociação entre eles baseada em seus próprios modelos mentais.
 
Porém a folksonomia também tem uma boa lista de desvantagens. A primeira é que ela cria um sistema de organização com muitas inconsistências e ambiguidades. Problemas de polissemia (palavras com muitos significados), sinonímia (múltiplas palavras com o mesmo significado), inflexões (variações de gênero, número e grau da palavra) e erros ortográficos são muito comuns na folksonomia. Além disso também é comum a existência de muitas tags imprecisas ou irrelevantes, o chamado meta noise.
 
Analisando, por exemplo, a lista das tags mais populares do Del.icio.us, encontramos problemas de polissemia em palavras como design, education e science, cada uma delas representando uma infinidade de assuntos diferentes. Problemas de sinonímia temos em palavras como photo - photography, fun - humor, e problemas de inflexões temos em palavras como game – games e fun - funny.
 
Para minimizar esses problemas a alternativa é controlar o nível de liberdade do usuário ao abribuir tags. Essa é a chamada folksonomia controlada, que pode ser implementada de várias formas: apresentar ao usuário instruções para escolha das tags, sugerir tags semelhantes já utilizadas por outros usuários, apresentar sinônimos, aplicar corretores ortográficos, indicar o assunto ao qual a tag se refere, e sugerir ao usuário que classifique a informação em tags pré-definidas. Um bom exemplo de folksonomia controlada é o site Buzzilions (www.buzzilions.com), no qual boa parte dessas soluções são aplicadas.
 
Mas um grande problema da folksonomia que normalmente passa desapercebido é o seu individualismo. Quando o usuário atribui uma tag a um conteúdo geralmente ele está pensando apenas em si próprio ou no grupo de pessoas próximo a eles (amigos, parentes, colegas de trabalho, etc.). Por isso são comuns tags que apenas o próprio usuário e o grupo de pessoas com que se relaciona conseguem entender. Prova disso é que “to read” (para ler) é uma das tags mais utilizadas no Del.icio.us e “me” (eu) é uma das tags mais utilizadas no Flickr. Elas representam respectivamente, uma página que o usuário marcou para ler depois e uma foto na qual o usuário aparece. Nesses casos não existe por parte do usuário uma preocupação de que outras pessoas entendam suas tags, dificultando o carater comunitário do site.
 
A resolução do problema do individualismo depende de uma definição estratégica do objetivo e do posicionamento do site e não apenas de recursos da interface. O Del.icio.us e o Flickr se posicionam como ferramentas de uso pessoal, onde eu guardo os meus bookmarks e as minhas fotos. Nenhum desses sites se propõe a ser uma criação coletiva na qual os conteúdos são classificados pensando em quem vai acessá-los, como é o caso da wikipédia.
 
Por tudo isso o papel do arquiteto de informação é importante nos projetos de sites que utilizam a folksonomia. É esse profissional quem irá desenhar uma interface, um modelo de interação para o site que traduza as regras da folksonomia e o grau de individualismo definidos no seu posicionamento estretégico. É ele quem define, e ajusta no decorrer do tempo, as soluções que serão implementadas para minimizar os problemas de polissemia, sinonímia, inflexões, meta noise e individualismo obtendo o máximo de vantagens dessa classificação comunitária.


© GUILHERMO.com